ÁREA PARA CLIENTES:
COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS:
Assine nossa newsletter para receber novidades:
Área restrita para clientes:
 
 
 
 
 

Valor inclui tradução juramentada de documentos, inscrição em provas e complementação de estudos 

Revalidar um diploma estrangeiro no Brasil custa, em média, R$ 20 mil. 

O valor inclui inscrições nas universidades públicas, tradução juramentada dos documentos, complementação de estudos e até viagens para fazer a prova de verificação de conhecimentos em outros locais, segundo especialistas ouvidos pela Folha. 

Se o curso da universidade estrangeira e o da nacional não forem semelhantes, o profissional terá de cursar disciplinas adicionais no Brasil. Em instituições particulares de ensino, cada módulo custa cerca de R$ 1.000. 
Mas todos esses números podem ser maiores. Como é possível pedir a revalidação em universidades diferentes -que cobram em torno de R$ 1.500 por processo-, o profissional muitas vezes tem de arcar com mais taxas administrativas e com cópias autenticadas dos documentos. 
A médica Eliane Carpes de Oliveira, 31, que se formou na Unitepc, na Bolívia, em 2008, desembolsou cerca de R$ 18 mil na busca pelo diploma. 
Ela cursou sete disciplinas em faculdade particular brasileira para complementar conhecimentos em questões nacionais -entre elas, como funciona o SUS (Sistema Único de Saúde) e legislação. 
SEM INCENTIVOS 
Além disso, gastou com viagens e hospedagem para fazer exames em diferentes Estados. "Cada prova acaba custando R$ 2.000", calcula. 
A médica diz que, se pudesse escolher, não teria ido para outro país estudar, mas o fez por ordem dos pais. "A dor de cabeça na volta é grande. Há muita discriminação com quem se formou no exterior sem fazer vestibular", conta ela, que, como não pode atuar na área de formação, aproveita para preparar-se para o Revalida e para fazer cursos de atualização. 
Evandro de Carvalho, pró-reitor de graduação da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), instituição que cobra R$ 800 por inscrição e analisa aumentar o preço em 2012, afirma que faltam incentivos para a revalidação de diplomas estrangeiros. 
"[A análise dos documentos] demanda muito trabalho. É preciso montar uma comissão de três professores para analisar o processo, e eles não ganham nada para isso. 
 
"Mestrado e doutorado de jornalista são reconhecidos antes da graduação."
FOLHA DE S. PAULO - SP 
 
Para o governo brasileiro, a jornalista Ana Tereza Lehmann, 32, foi doutora em comunicação e ciências políticas antes mesmo de ter concluído o ensino superior. 
Ela cursou faculdades e mestrado nos EUA e doutorado na Inglaterra. Quando decidiu voltar ao Brasil, teve dificuldades para revalidar seus diplomas de graduação. 
"Tive que cursar disciplinas do primeiro e do segundo semestres da faculdade enquanto dava aulas para a pós-graduação", lembra. 
Para Lehmann, o nível de cobrança que teve na faculdade brasileira era inferior ao que estava acostumada no mercado de trabalho -a experiência, complementa a jornalista, não valeu para sua formação profissional. 
"Em algumas disciplinas, os professores, ao saberem da minha história, pediam que eu apenas fizesse um trabalho ou uma prova e me dispensavam de assistir às aulas", conta Lehmann. 
 
Em SP, 40% dos diplomas estrangeiros são validados 
 
Profissionais reclamam de falta de critérios para análise de documentos 
MARCOS DE VASCONCELLOS - FOLHA DE S. PAULO 
A maioria dos estudantes que tenta revalidar diploma estrangeiro em universidades paulistas não obtém sucesso. Dos 418 profissionais que pediram revalidação entre 2009 e 2011, 40% (168) a conseguiram. A taxa de aceitação da USP (Universidade de São Paulo), instituição que mais recebeu pedidos no período, foi de 36% (54 de 148 solicitações) de 2007 a 2008 para 48% (74 de 153 solicitações) de 2009 a 2010. 
Apesar do crescimento do índice, profissionais reclamam da falta de critérios para reconhecer o canudo, já que as universidades têm autonomia nos processos. 
Bolsista do governo dos EUA, a designer de interiores Vanessa dos Santos, 25, não conseguiu fazer inscrição para a revalidação do diploma. 
Ela diz sentir-se desamparada pelo governo brasileiro após ter buscado instituições que oferecem formação similar e receber a resposta de que não poderia revalidar o diploma de curso de tecnólogo, considerado ensino superior. 
"Cada universidade faz de um jeito, abrem processos [seletivos] do dia para a noite e cobram caro por isso", protesta Celso Pedroso, 27, que cursou medicina na Univalle, em Cochabamba, na Bolívia, de 2002 a 2009. 
Ele tentou por três vezes revalidar o diploma, sem sucesso. Pedroso está inscrito no Revalida (http://revalida.inep.gov.br), prova organizada pelos ministérios da Educação e da Saúde para testar conhecimentos de médicos formados no exterior, cujas inscrições se encerram neste domingo (10). 
 
 
 
 
 
MEU CARRINHO
Você possui: 0 itens
Total no carrinho: R$ 0,00
LINKS ÚTEIS
Consulados no Brasil
Documentos para visto
O que é tradução juramentada
Mais notícias
Glossários
ENQUETE
 
ÁREA PARA CLIENTES
Digite seu nome de usuário:
Digite sua senha:
ENTRAR NO SISTEMA
NEWSLETTER
Nome:
E-mail:
CADASTRAR-SE
FAÇA UMA BUSCA
Digite o que deseja procurar:
 
 
Palavras-chave

Tradutor Juramentado

Tradução Juramentada

Tradução Técnica

Legalização Consular Interpretação Tradução Consecutiva Tradução Simultânea

 

 
Parceiros
Correios
Outro Parceiro
Mais um Parceiro
Parceiros
Assine nossa newsletter
Escritórios

São Paulo

Av. Nove de Julho, 3287

Santos

Rua Dona Anália Franco, 27 

Brasília

SBN QD 1, CJ3, BL A 1° ss Pool

Curitiba

Rua Padre Anchieta, 2128, Bigorrilho

Rio de Janeiro

Rua Leopoldo Miguez, 178, Copacabana

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Contato

E-mail: [email protected]  ou [email protected]

Telefone da Matriz:         +11 3884.5320

Skype: Daticom3287